Sessão especial destacou o século de atuação do educandário em Santarém

Como parte da programação de 100 anos da Escola Estadual de Ensino Médio Diocesana São Francisco, a Câmara de Vereadores de Santarém realizou na tarde desta terça-feira (15/05), no plenário Vereador Benedito Magalhães, uma sessão especial que homenageou a instituição pelos relevantes serviços prestados à comunidade santarena.

A diretora da escola Enia Hoyos, que atua há seis anos no educandário, ressaltou a missão da entidade, sempre baseada nos princípios cristãos, com o intuito de desenvolver atividades de caráter sociocultural e religioso, visando ao exercício pleno da cidadania. “Este educandário vem desenvolvendo sua proposta pedagógica na tentativa de construir um mundo mais fraterno através de seus alunos, professores e funcionários. Portanto, essa sessão é uma forma de estarmos prestando conta pelos esforços que temos medido junto à sociedade”, enaltece.

Atualmente, a escola possui aproximadamente mil alunos matriculados distribuídos nos turnos matutino e vespertino. A estudante Miriam Goldinho, que cursa o 3º ano, fez parte da mesa diretora da sessão. “É uma honra poder representar os alunos nessa programação, especialmente quando comemoramos 100 anos de uma escola que faz parte da história santarena”, destacou a discente.

A vereadora Maria José Maia (DEM), autora da proposta de sessão, lembrou que são poucas as escolas no município que já alcançaram o centenário. Para ela, isso é um marco que merece todo o reconhecimento do Poder Legislativo. “Essa sessão é mais que merecida, pois hoje nos lembramos da Escola Diocesana São Francisco, fundada em 1918, e ao longo de toda essa trajetória, de tantas lutas, de muitas conquistas de pessoas que tiveram toda uma dedicação para contribuir com a educação em nosso município”.

Os agraciados, escolhidos pelos alunos e educadores da própria escola, receberam menções honrosas:

 

– Frei Vianney Miller

– Dom Flávio Giovenalle

– Padre Valdir Serra

– Prof Maria do Socorro Oliveira da Silva

– Genildo Sousa Delgado Júnior

– Prof. Dr. Joarez Galvão;

– Maria Gorete Farias das Silva;

– Marlon de Oliveira Lopes;

– Danilo Sousa Ferreira;

– Darci Fátima Gonçalves Martins;

– Eliana Mara Moraes Santos;

– Maria Lúcia Cavalcante Pena;

 

E certificados de honra ao mérito:

 

– Maria Mônica Andrade Godinho – vice-diretora, atuando há 17 anos na Escola;

– Laurimar Bernardes de Sousa – mais antigo aluno egresso que a Escola tem registro. Fará 100 anos no dia 17 de julho deste ano;

– Prof Márcio Junio Maia Pereira – aluno egresso do ano de 1997. Atua hoje como docente na Escola;

– Giselly Patrícia Sussuarana – aluna egressa, atuando na Escola como especialista em educação;

– Poliane Neves Vieira – aluna egressa, atuando na Escola como especialista em educação;

– Adriana Santana de Carvalho – egressa do ano de 1998, atuando hoje na Escola como docente;

– Padre Ronaldo Nascimento – foi pároco da Igreja Matriz de Nossa Sra da Conceição, quando atuou junto à Escola;

– Marinete Santos – merendeira na Escola há  14 anos;

– Darcenilson Carneiro de Oliveira – auxiliar de serviços gerais, prestando serviço há 12 anos na Escola;

– Maria Hermínia Amaral Rego – especialista em educação colaborando com a Escola há 11 anos;

– Mírian lane de Oliveira Santos – assistente administrativo, colaborando com a Escola há 9 anos;

– Roseni Fagundes – servente, colaboradora há 9 anos na Escola;

– Ana Cristina Gonçalves Catunda – professora de Língua Portuguesa e Literatura, colaborando com a Escola há 12 anos;

– Tânia Mara Pimentel Gomes de Lima – professora de Matemática colaborando com a Escola há 10 anos;

– Tereza Cristina Lira Quayson – professora de Física, colaborando com a escola há 11 anos;

– Maria da Conceição Pereira do Nascimento – professora de Biologia, colaborando com a Escola há 8 anos;

– Joelma de Freitas Ferreira – professora de Química, colaborando com a Escola há 7 anos;

– Suelen Silva Muniz – professora de Sociologia, colaborando com a escola há 13 anos;

– Valdenira Silva de Melo – professora de História colaborando com a escola há 10 anos;

– Cleise Cristina Dantas Parente – professora de Inglês colaborando com a Escola há 14 anos;

– Albanira Diana Corrêa de Sena – professora de Matemática, colaborando com a Escola há 13 anos;

Escola Diocesana São Francisco – Fundada no dia 21 de janeiro de 1918n por Frei Ambrósio Philipsenburg. Inicialmente, funcionou no pavilhão térreo do Seminário dos Padres, atual Convento São Francisco, e tinha por finalidade acolher os meninos pobres de Santarém que não dispunham de escola para estudar.

Com carisma e determinação, Frei Ambrósio dirigiu a escola durante 18 anos, durante os quais recebia um número crescente de alunos. Em 1930, eram em torno de 150, todos do sexo masculino, distribuídos em 04 salas. Recebiam aulas de música, de civismo e de religião, além disso, os uniformes e material escolar eram distribuídos gratuitamente.

Por 40 anos, a escola funcionou nas mesmas instalações, mas em 1958, o então Bispo de Santarém, Dom Thiago Ryan, designou o vigário Frei Othmar para iniciar a construção de um prédio em um terreno próximo ao convento. Por não possuir muitos recursos, a construção era lenta, porém, a partir de 1960 os trabalhos foram intensificados pelo novo vigário, Frei Vianey Miller, que buscou verbas entre seus familiares e amigos nos Estados Unidos. Em 1968, o prédio da escola ficou pronto e já estava com uma clientela de mil alunos de ambos os sexos.

Em 1º de março de 1969, foi firmado um convênio entre a Diocese de Santarém e a Secretaria Executiva de Estado de Educação do Pará, por meio do qual a Diocese passou a ser responsável pela indicação da equipe diretiva e pela formação religiosa dos alunos, enquanto a SEDUC assumiu a responsabilidade de remuneração dos funcionários e do aspecto legal da escola.

Quanto à comunidade escolar, ficou com a responsabilidade da manutenção e conservação do prédio que é cedido pela Diocese sob a forma de regime de comodata.

Até 1994 a escola oferecia apenas o Ensino Fundamental, porém por meio da portaria nº 261 de 29 de março de 1995 foi autorizado o funcionamento do Ensino Médio.

Por Júlio César Guimarães – Jornalista da Vox Comunicação