Sucesso na realização da 1ª Copa Tapajós de Vôlei é um recado ao Poder Público para ampliar o incentivo ao esporte em Santarém

0

Esporte para a juventude

 Assessoria de Comunicação da Câmara Municipal acompanhou a final da competição, que foi apoiada pela Prefeitura.

 Com palco e equipamentos prontos, o show já pode começar. Esse contexto lembra de imediato o cenário para um evento artístico. O roteiro da nossa história até envolve artistas, mas do esporte. Ou seja, não são os que cantam ou interpretam, embora, em muitos momentos, os “despeitos” exijam um pouco de talento nessas áreas de nossos personagens. Estamos falando de quadra, rede, bolas: voleibol, um esporte que tem ganhado cada vez mais adeptos e formado bons atletas em Santarém.

É que, no último sábado (19/12), foi realizada a final da 1ª Copa Tapajós de Vôlei, no ginásio da AABB. Quatro, das sete equipes que participaram da competição, disputaram o 3º e o 1º lugares, respectivamente. Vitor de Pádua, organizador, destacou que essa é uma forma de descobrir talentos, além de reunir os atletas mais experientes. “A gente está muito feliz de poder organizar essa competição. A gente sempre tenta dar oportunidade a novos talentos”.

 

Atletas – Essa observação de Vitor encaixa com os contextos de Jean Paiva, levantador da equipe C&D Presentes, experiente, já tendo participado de diversas competições, e Eduardo Araújo, 17 anos de idade, central da Casa da Redação. Ambos atletas admirados pelo que fazem, porém, naturalmente, diferentes na posição em quadra e na visão sobre como vivem o esporte. “Já vivenciamos grandes finais, o nervosismo ajuda em parte; o frio na barriga é normal. A gente percebe a galera, hoje em dia, querendo se dedicar, evoluindo, se preocupando [sic]para ter material de qualidade, treinando, se dedicando [sic]ao máximo para desempenhar um voleibol de qualidade em Santarém”, enfatizou Jean.

“Aprendi muito também, foi um aprendizado, errei muitas vezes e também tive muitos acertos”, ponderou Eduardo, ressaltando que começou a praticar vôlei como uma brincadeira e agora, se possível, pretende levá-lo profissionalmente. Ele foi premiado como atleta revelação em outro torneio realizado neste ano em Santarém.

Assim como eles, mais de 100 atletas puderam mostrar seu desempenho em quadra em 15 dias de competição. Alguns desses jogadores são de outros municípios do Pará e até de outros estados, como Felipe Anderson Silva, 27 anos de idade, levantador do Ideal Vôlei Clube, que veio de Manaus (AM), onde, segundo o atleta, a cena esportiva é parecida com a santarena, com a vantagem de ter mais possibilidade de ascensão a ligas profissionais. “Muito gratificante vir pra [sic]Santarém. Já é o meu terceiro ano; vim em 2016, 2017 e retornei em 2020. É sempre bom retornar. Material humano existe, sim, aqui, é um celeiro de atletas. Infelizmente, o investimento na região Norte não é tão grande como existe em outros lugares do país, mas tanto Santarém quanto Manaus não deixam a desejar no esporte”, acrescenta.

Torcida – Por conta de decisão judicial e do decreto municipal, em virtude da pandemia do novo coronavírus, o evento não pôde contar com grande público na torcida. Quem estava nas arquibancadas era participante de alguma das equipes envolvidas, como atleta ou de pessoal de apoio.  “A gente estava com a expectativa de nem realizar a final, hoje [sábado, 19]”, esclareceu Vitor de Pádua, que agradeceu à AABB pela parceria em ceder o espaço. “A gente entende, porque o mundo vive num momento de pandemia, e precisamos estar nos resguardando e resguardando o próximo”, complementou o organizador.

Ainda sobre esse ponto da restrição de público, Marcio Macêdo, dono das equipes Ideal Vôlei Clube e MOV Ideal, lamentou que a final tenha sido assim, e salientou a importância dos torcedores. “Nós sabemos que a torcida influencia muito; cada ponto é um grito, e a torcida dá muito esse apoio emocional aos jogadores”.

Apesar da restrição, quem estava na arquibancada não deixou a desejar nesses quesitos pontuados por Marcio. Também não poderia, os jogos foram quentes e atrativos para quem os assistiu, que não foram somente os presentes, afinal teve live para quem estava fora do ginásio da AABB.

A disputa – O primeiro jogo, pelo terceiro lugar, foi entre Casa da Redação e Ideal Vôlei Clube. As duas equipes mediram forças ponto a ponto, e foram os atletas da Casa da Redação que saíram vitoriosos do confronto, por um placar de 2 x 0 em sets. O técnico da equipe Aécio Imbiriba comemorou a conquista desse resultado na copa, sobretudo, pelo pouco tempo de treinamentos, e por um entrosamento que, de acordo com ele, ocorreu durante a competição “A gente juntou esses meninos para o ano que vem. É gratificante chegar ao terceiro lugar”.

Como era de se esperar, o último jogo da noite, pelo primeiro lugar, foi o mais disputado, entre C & D Presentes, tradicional e dona de 11 títulos, e Rainha da Sucata, equipe formada, com esse nome, há pouco tempo, mas tão preparada quanto os adversários veteranos. O dono da C & D Presentes José Amauri Maia observou que a competição foi a de maior nível que sua equipe já participou. “Campeonato diferenciado, posso colocar com toda a certeza com o nível mais alto que já teve. As duas que chegaram à final foram as equipes que mais investiram nesse campeonato”. Thiago Alves, dono da Rainha da Sucata concordou com o colega e acrescentou que “o retorno disso é só a felicidade de participar e dar aquela força para o esporte crescer mais”.

Para ficar demonstrado esse alto nível, em quadra, os atletas das duas equipes se doaram, e fizeram uma bela partida, digna de ser chamada de espetáculo, como realçamos no início da reportagem. Ao final, Rainha da Sucata sagrou-se a grande campeã da 1ª Copa Tapajós, por 3 sets a 1. “A gente teve a oportunidade de formar uma equipe boa. Nós treinamos muito forte para isso”, enalteceu Josenilson Oliveira, técnico da equipe vitoriosa, que, inclusive, já havia vencido o adversário da final, durante o chaveamento da competição.

As outras três equipes que participaram da copa foram Sucata (time B da campeã); MOV Ideal e Monte Alegre.

Premiação – Como bem ressaltou o empresário Thiago Alves, dono das equipes Rainha da Sucata e Sucata, o retorno é a satisfação de incentivar a prática esportiva, pois os prêmios são mais simbólicos. O 1º lugar ganhou R$ 2.500,00 e o 2º R$ 1.100,00, além de troféus e medalhas. Os destaques de cada posição receberam troféus, assim como as equipes que ficaram no 3º e no 4º lugares.

Poder Público – A Prefeitura de Santarém deu apoio, por meio da equipe de organização do campeonato, incluindo a arbitragem. José Maria Lira, chefe da Divisão de Esporte e Lazer, vinculada à Secretaria Municipal de Educação, parabenizou a organização e os atletas pela realização do campeonato.

A vereadora Maria José Maia, presidente da Comissão de Educação, Cultura, Desporto e Assistência Social da Câmara de Vereadores, pontuou que esse tipo de iniciativa deve sempre contar com o apoio do Poder Público para que a juventude esteja ocupada com a desportividade, o que a impede de entrar para o submundo do crime e do uso de drogas. A parlamentar destacou que Santarém deve ter uma Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer, no próximo mandato do prefeito Nélio Aguiar. Para ela, isso deverá ampliar o fomento ao esporte no município.

Por Jefferson Santos – Jornalista do DECOM/CÂMARA

Compartilhar:

Os comentários estão fechados.


Acessibilidade
Acessibilidade